Conselho Municipal Participativo no Jabaquara 12-09-2017.

Conselho Municipal Participativo no Jabaquara 12-09-2017.

Pauta: 1) Mudanças na Regulamentação do Conselho participativo Municipal; 2) outros assuntos.

Às 19 horas e 30 minutos do dia 12 de setembro de 2017, na sede da Prefeitura Regional do Jabaquara, realizou-se a reunião ordinária do Conselho Participativo Municipal do Jabaquara. Com a presença de ___ conselheiros (Lista de Presença rubricada e arquivada), o Coordenador, conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro, deu início à reunião. Segue relato da reunião:

1) José Luiz Nodar Ribeiro, coordenador do Conselho Participativo Municipal do Jabaquara, dá início a reunião. Mesa composta por José Luiz Nodar Ribeiro, Yara e Leonildo da Silva (Patinho).
2) Sr. Celso Henriques de Paula – Coordenador Geral do Conselho Municipal Participativo foi convidado;
3) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – 10 minutos para o Fernando (de Obras) e Priscila e Sandro. Vamos pedir a prestação de contas pra prefeita regional sobre as Obras e o dinheiro que tem para as obras;
4) Sr. Leonildo Silva – Cohab – Sou Diretor Social do Consabeja. Fala de se trabalho social há mais de 25 anos no Jabaquara. Elogia o trabalho da jornalista Rosa Oliveira, uma das mais fortes lideranças da região. Sou colaborador da Cohab e tenho atendido as pessoas que vem fazer o recadastramento aqui, na sede a prefeitura regional. Também prestam informações para o s que estão cadastrados. Temos uma demanda reprimida de mais de 20 anos. Presidente da Cohab quer que cada um dos representas nas prefeituras regionais sejam um exemplo de atendimento, de forma educada e eficiente, oferecendo informações corretas e estimativa de tempo em que serão atendidas ou o andamento das obras. Está fazendo novos cadastramentos. Os recadastramentos devem ser feitos anualmente. O trabalho é muito importante. A Cohab e a Secretaria da Habitação deveriam ser chamadas de Secretaria da Felicidade, pois vemos a alegria das pessoas só de renovar a ficha de cadastro e saber que vai ter uma esperança de ter sua casa
5) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – pergunta ao Celso sobre o tempo necessário para apresentação.
6) Sr. Celso Henriques de Paula – Sou o coordenador Geral do Conselho Participativo Municipal. Estou aqui para ajudar vocês a conhecer melhor as mudanças que foram feitas. Estou aqui para ouvi-los. Alguém tem perguntas?
7) Conselheira Yara Calles – pede que o Celso já informe sobre as mudanças;
8) Sr. Celso Henriques de Paula – o conselho foi criado em 2013 pela lei 15,764. O número de conselheiros é 1275. Até hoje, os conselhos representam 10 mil habitantes cada um. Organizamos 5 conferências regionais. A última foi da região sudeste. Houve pouca participação de conselheiros. E comuniquei aos coordenadores e aos prefeitos regionais. Participei de várias reuniões de conselhos e havia pouca participação de conselheiros. 5 ou 6 conselheiros; ou menos, Fizemos uma reestruturação. Agora, representa 30 mil habitantes cada conselheiro. Acho que vai fortalecer vocês.
9) Outra mudança é na hora de votar. Antes podia votar em até 5. Agora só vai poder votar em 1. O Edital foi publicado hoje. Eu sou do Ipiranga, participei de todos os conselhos. Saúde, meio ambiente, e hoje sou presidente do Conseg. No ano que vem, se eu continuar na coordenadoria, acho que faremos um ótimo trabalho. Estou fazendo um trabalho sério. As eleições serão no dia 3 de dezembro. São 32 prefeituras regionais e 96 distritos. Cada distrito terá um posto de votação. De acordo com a lei, o mínimo de conselheiro por prefeitura é 5. E continua a obrigação de 50% de mulheres. Não mexemos na lei. Só estamos reestruturando o decreto. A eleição será eletrônica, não terá urna. Estamos prevendo que não haverá falhas, Será uma eleição transparente. O processo será feio pela Prodam. Cheguei um pouco atrasado porque estava debatendo com as demais secretarias, com a Prodam, com a GCM na questão da segurança. Agora temos de aguardar as inscrições. Hoje já recebi 20 telefonemas de pessoas que querem participar. Isso é importante. Querem exercer o papel de cidadão. Esse é um trabalho voluntário. Gostaria que vocês continuassem.
10) Sr. José Roberto Alves da Silva, Presidente do Consabeja – Temos um problema. O eleitor apresenta o título de eleitor e um comprovante de residência. Acontece que não bate a área física da zona eleitora com o distrito. A zona eleitoral 320 abrange partes dos distritos da Cidade Ademar, do Ipiranga, e da Vila Mariana. Pede inscrição prévia dos eleitores. Com isso teríamos até a dimensão de quantos participantes seriam.
12) Sr. Celso Henriques – a gente tinha discutido isso na Prodam. Está sendo analisado. Posso adiantar um pouco pra vocês; e a eleição será, talvez, por endereço. A eleição será distrital. Dá o exemplo do Ipiranga (Ipiranga, Sacomã e Cursino). O eleitor de Sacomã só poderá votar no candidato do Sacomã. O voto será distrital. Acredito que será usado o comprovante de residência. E não a zona eleitoral Porque, realmente, a zona eleitoral não bate. Então estamos estudando,. Como eleição é ainda em 3 de dezembro, nós estamos estudando, A gente ainda pode mudar até lá. Podemos alterar o decreto e baixar uma portaria para atender as necessidades e reivindicações de vocês. A proposta minha foi de que apresentasse comprovante de residência. Fica mais fácil.
13) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – No caso do comprovante de residência, e se estiver no nome da minha mãe?
14) Sr. Celso Henriques – foi discutido isso e todas as possibilidades. E levamo pra mesa. Eu tenho a comissão central debatendo isso.
15) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – Fala que o CPM foi sempre menosprezado. Acha que 8 conselheiros são muito pouco para o Jabaquara. Hoje somos 23 conselheiros e sempre participativos. Até as verbas que liberavam pra gente nós perdemos. Falta de atenção, falta de café e uma água. O pessoal vem aqui, voluntário. Pelo menos um café deveria ter. Sempre teve politicagem, mesmo. A gente quer mais atenção para o CPM. Entende que o CPM não tem de trazer as demandas. Isso cabe ao Fórum Local. Nosso papel é cobrar a prefeitura e as prioridades. O governo desrespeita o Conselho. O conselheiro não vem pra trazer reivindicações. Estamos aqui pra decidir; e o governo pra prestar contas.
16) Sr. Celso Henriques – Pergunta se acham que estão abandonados pela prefeitura ou pela secretaria. Pergunta se mandaram algum e-mail para a secretaria.
17) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – Responde: “nem sabia que você existia”.
18) Conselheira Rosa Oliveira – Fala que era coordenadora; e foi em todas as reuniões com o Celso. Falei sobre o Jabaquara. Fala de atenção, falta de comunicação. Pode ver nas atas das reuniões, que todas as reuniões que tiveram na secretaria, eu participei. Até julho.
19) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – desde que eu assumi, a secretaria não passou nada pra mim.
20) Sr. Celso Henriques – Coordenador do Conselho Municipal participativo,
21) Sr. Celso Henriques – Reponde à questão de falta de apoio da prefeitura regional para com o CMP. Diz que tem de haver uma interação entre CMP, Prefeitura Regional e Secretaria. Pergunta quando foi que o CPM ligou para ele (Celso).
22) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – apresenta a lista de reivindicações do CPM Jabaquara. Esta lista foi entregue em mãos do prefeito João Dória quando esteve no Jabaquara, em julho. A prefeita Regional também recebeu este documento.
23) Sr. Celso Henriques – recebe o documento. Entende que o prefeito deve ter milhares de problemas. Alguém deveria ter entrado em contato com vocês. Sugere que os documentos também sejam encaminhados à Secretaria Especial.
24) Conselheira Yara – propõe que todos os documentos também sejam encaminhados à Secretaria;
25) Sr. Celso Henriques – informa que atende a 32 conselhos. Atende todos igualmente. Pede que enviem as demandas também por e-mail. Não sabe o que está acontecendo porque não recebeu as informações.
26) chegada da prefeita regional Fátima Marques;
27) Sr. Celso Henriques – Sobre a quantidade de votos em um único conselheiro (podia votar em até 5 na última eleição), entende que a formação de “chapas” abria espaço para politicagens. O eleitor votava em um conhecido, mas arrastava outros 4 sem que o eleitor os conhecessem.
28) Sr. Celso Henriques – esclarece fala a questão do desconhecimento sobre a atuação da Coordenação dos Conselhos Participativos. Informa que foi nas reuniões escolhidas pelos próprios 32 conselhos regionais.
29) Prefeita Fátima Marques – informa que a conselheira Rosa Oliveira (ex-coordenadora) foi em reuniões da Coordenação dos CPMs; e tinha conhecimento do Celso.
30) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – informa que todo os que montaram “chapas” no Jabaquara não foram eleitos;
31) Sr. Celso Henriques – informa que quanto foi eleito (em 2013) foi o mais votado e não montou chapa.
32) Sr. Mauro Alves da Silva (Grêmio SER Sudeste e Consabeja) – informa que, no Ipiranga, teve candidato que teve quase 2 mil votos e arrastou mais 4.
33) Conselheira Yara – diz que não concorda com as explicações do Celso para a redução do número de conselheiros (redução de 23 para 9 no Jabaquara). Entende que isto vai interromper o trabalho do Conselho. Pergunta se uma pessoa que está entrando no conselho agora vai poder se inscrever.
34) Sr. Celso Henriques – responde: se tiver no segundo mandato, não.
35) Conselheira Yara – critica o fato de estar determinado no edital apenas 1 posto de votação por distrito. Quem participou da última eleição sabe que tivemos vários postos; e que teve uma demanda grande. Pede esclarecimento sobre a comissão eleitoral: diz que nós nem sabíamos que isso ia acontecer. Não sabemos quem são as pessoas da comissão eleitoral;
36) Sr. Celso Henriques – é só pegar o diário oficial; e está lá o nome das pessoas da comissão eleitoral.
37) Prefeita Fátima Marques – informa que divulgaram nas redes (sociais), publicamos no diário oficial, colocamos no mural da prefeitura regional. Vieram 35 pessoas. Quem não veio não foi por falta de divulgação. Foi a prefeitura regional que divulgou. Não foi o Celso. Foram 35 pessoas; tem o registro; tem ata; foi tudo realizado.
38) Sr. Celso Henriques – no diário oficial de hoje, foram publicados os nomes de todas as comissões eleitorais, conforme edital. Os prefeitos são os presidentes; e os demais foram escolhidos por voto na assembleia. Em relação à redução do número de conselheiros, entende que não vai haver prejuízo dos trabalhos. Os conselheiros que moam no local é que devem ir atrás das soluções; e não esperar dos políticos. Sobre o posto de votação, diz que o endereço é do local por distrito. Mas pode haver mais cabines de votação no local. A votação vai ser rápida, por número. No caso da Sé (8 distritos), haverá 8 postos de votação. No caso do Ipiranga (3 distritos), haverá 3 postos de votação. Serão 96 postos de votação (1 por distrito).
39) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – fala do número de eleitores na última eleição. Acha que foram mais de seis mil no Jabaquara.
40) Sr. Celso Henriques – esse número (seis mil) deve ser dividido por cinco, pois o eleitor votou em 5 nomes.
41) Conselheira Yara – Tivemos 6 postos de votação; e os seis postos ficaram lotados; foram 6 mil eleitores.
42) Sr. Celso Henriques – Na eleição passada, tivemos 160 postos. Agora diminuiu. Mas tudo vai depender da divulgação. Não espere do poder público.
43) Maria Lúcia da Silva (Comunidade Ativa Vila Clara e vice-presidente do Consabeja) – apresenta a dúvida se o voto será por prefeitura regional ou por distrito.
44) Sr. Celso Henriques – a eleição é distrital. Vai ser por distrito. Por exemplo, no Ipiranga: são 3 distritos. A prefeitura regional está no distrito do Ipiranga. Tem também os distritos do Sacomã e do Cursino. O candidato representa um único distrito e só vai receber votos de eleitores do mesmo distrito. Será usado o comprovante de residencial. Pelo CEP dá pra saber onde você mora (distrito). Se vocês são aqui do Jabaquara, só tem um distrito, todos vocês vão votar aqui. Não dá pra morar do outro lado da Av. Ricardo Jafet e votar no Jabaquara. O próprio sistema vai impedir isso.
45) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro o comprovante de residência tem de estar no nome da pessoa?
46) Sr. Celso Henriques – A comissão eleitoral está decidindo isso. Tem o caso do inquilino, que o comprovante está no nome do proprietário. Ou tem o caso dos filhos. Nós vamos discutir isso. Acredito que até o mês de novembro estará decidido.
47) José Luiz Nodar Ribeiro fala da possibilidade de um eleitor apresentar um comprovante do Jabaquara e votar no Jabaquara. Depois apresenta um comprovante da Vila mariana e vota na Vila Mariana. Isso poderá acontecer?
48) Sr. Celso Henriques – Nós marcaremos uma reunião com todas as comissões locais (talvez no dia 20) para esclarecer todas estas dúvidas. Ainda estamos definindo o local
49) Sr. Celso Henriques – pede que as perguntas sejam encaminhadas a ele. Diz que está sempre aberto a todos. Nunca deixou de responder a ninguém. É só marcar horário para conversarmos.
50) Sr. Mauro Alves da Silva – Grêmio SER Sudeste e Consabeja – O CPM está sendo boicotado desde a sua criação. As atas não são publicadas. Criticamos o governo atual porque é ele que hoje tem o poder. Outro ponto: se entrarmos agora no site da Secretaria, não tem nada publicado. Só tem o nome do secretário. A gente critica o CPM, mas a própria secretaria não publica informações. Confirmo que vi a publicação da prefeitura regional chamando a audiência pública par eleição da Comissão eleitoral. Mas parece que não foi comunicada diretamente aos conselheiros.
51) Sr. Mauro Alves da Silva – questões pontuais. Tem de haver um comprovante de endereço e um comprovante pessoal. Já fizemos a sugestão em outras eleições para que houvesse um cadastramento prévio de eleitores, o que acontece no mundo inteiro onde existe eleição distrital. Não cadastra só o candidato. Você também cadastra o eleitor. O problema – aqui no Jabaquara – é que tivemos várias comunidades que foram transferidas de um local para outro. No caso da Água Espraiada, havia moradores que votavam na zona da Indianópolis ou de Santo Amaro. Podem ter endereços atualizados ou antigos. Não queremos que a pessoa escolha somente na hora de votar onde é que vai votar. Isso permitiria acontecer o que o conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro falou. Sobre a publicação, acho importante dar um prazo mínimo (30 dias) com todas as regras, para saber onde é que estão os eleitores.
52) Sr. Celso Henriques – Pelo edital, a inscrição para a eleição se encerra no dia 30. Teremos 63 dias de campanhas. Lembra que, em 2013, o candidato tinha de obter 100 assinaturas. Tinha de se humilhar para o seu vizinho assinar o apoio. Em 2015, alguém se conscientizou que isso era um trabalhão danado. Isso aí era como se fosse um cadastramento prévio. Se pra votar é difícil levar o eleitor, como vamos convidar o eleitor duas vezes, sendo uma para se cadastrar?
53) Sr. Mauro Alves da Silva – toda eleição tem cadastro prévio de eleitores. Na eleição geral, temos até maio para fazer o cadastro (no TRE) ou seguimos o cadastro anterior.
54) Sr. Celso Henriques – peço que encaminhe pra mim as propostas. Você falou em países do primeiro mundo, que tem voto distrital. O sonho de todos nós é que as pessoas aprendam a votar. A usar o seu direto de cidadão.
55) Sra. Andréa Pereira (Calipal) – O ideal não seria o título de eleitor como na outra eleição? Pois se o documento for comprovante de endereço, vai ser uma marmelada nessa eleição.
56) Sr. Celso Henriques – A maioria não concordou com o título de eleitor porque abrange áreas diferentes dos distritos. Acho que o comprovante de residência é o mais provável.
57) Sra. Andréa Pereira (Calipal) – sobre um único posto de votação, acha um absurdo. Na última eleição eu vim aqui 3 vezes… e só votei na última vez. Vocês só veem o distrito, mas não o número de pessoas.
58) Sr. Celso Henriques – pergunta quantos terminais tinham (respondem de 3 a 7 na prefeitura regional). Essas falhas estão sendo discutidas com a Prodam. Poderia ter sido feito com o TRE, mas custa 10 vezes mais caro. O TRE, em 2013, cobrou R$ 6 milhões de reais para fazer as eleições de vocês. Em 2015, a Prodam cobrou R$ 1,5 milhão. Agora, assinamos um contrato com a Podam; e eles garantiram que isso não vai acontecer. Eles podem pagar multas por falhas. Vocês podem me mandar todos estes questionamentos.
59) Conselheira Yara – vamos mandar todos os questionamentos.
60) Sra. Andréa Pereira (Calipal) – A comissão eleitoral vai fiscalizar a eleição. E quem vai fiscalizar a comissão eleitoral?
61) Sr. Celso Henriques – A comissão eleitoral, quem fiscaliza são vocês, a comunidade, a sociedade civil. Além da comissão local, tem a comissão central. Melhores fiscais do que vocês, não existem. Se acharem que tem alguma coisa errada, falem com a prefeita local, chamem a polícia. Façam o que vocês quiserem, É um direito de vocês. Somos todos conscientes. Podem ligar pra mim. No dia 30 (de setembro) estaremos de plantão até as 10h da noite para receber qualquer denúncia ou reclamação.
62) Sra. Andréa Pereira (Calipal) – nas próximas eleições, antes de fazer o edital, que vocês consultem a população não só do Jabaquara mas de outras regiões para fazer uma eleição mais limpa.
63) Sr. Celso Henriques – você está correta. Eu estou indo nas prefeituras regionais de acordo com as reuniões de vocês. Já fui em 26 e sempre falo isso: gente, mandem suas opiniões pra mim. Até dia 3 de dezembro eu posso reverter alguma coisa, melhorar alguma coisa; colocar ou tirar coisa. Você disse que deveria ter sido consultada. Mas eu pergunto: quando foi criado o conselho vocês foram consultados? Simplesmente criaram o Conselho. Não sei como chegaram a conclusão de que cada conselheiro deveria representar 10 mil habitantes. E vocês não foram consultados nesse sentido em 2013. Também não consultaram vocês sobre o Conselho de Representantes. Nós mexemos em três pontos específicos. Não mexi no decreto todo. Não mexi na lei. Mesmo assim, consultei as pessoas, fiz conferências para vocês participarem. Eu fiquei um pouco magoado porque as pessoas não compareciam. Tinha 265 conselheiros na região sudeste. Apareceram só 20 conselheiros. Todos os prefeitos regionais presentes. Era pra aproximar as pessoas dos prefeitos e da Secretaria. Não sei porque as pessoas não compareceram. Eu recebi, pela prefeitura, um manifesto de repúdio.
64) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – são 10 pras 9h e ainda temos pessoas inscritas. Peço pra serem rápidos porque ainda tem o pessoal de Obras.
65) Prefeita Fátima – acho que está prejudicado (o ponto sobre Obras), pelo horário;
66) Conselheira Lúcia Farias – os rostinhos que estão aqui são lideranças no Jabaquara. Eles acompanham as audiências públicas, as reuniões, sempre trazendo o melhor pra São Paulo e para o Jabaquara. Como nem todos acompanham o Portal da Transparência, pede que mande tudo para a coordenação do CPM, tudo o que foi pedido, o que a gente votou, as obras e tudo o que contemple o Jabaquara. E tudo que o Jabaquara ainda precisa. Nós vamos continuar participando. Mesmo os que não vão se reelegerem. Parabeniza o José Luiz Nodar Ribeiro e a Rosa Oliveira. Foi uma luta realizar a Festa do Jabaquara (em 28/02/2017) e o Desfile Cívico (03/09). Foi muito gratificante para o Jabaquara.
67) Sr. Celso Henriques – Parabeniza a conselheira Lúcia. Mesmo não sendo conselheira na próxima gestão, continuará participando.
68) Conselheira Lúcia Farias – espero que a coordenação dos Conselhos Participativos tome conhecimento das dificuldades e ajude as prefeituras regionais.
69) Sr. Celso Henriques – Não é fácil ser prefeito regional. Ele gostaria de atender, mas a verba é insuficiente. As prioridades devem ser definidas por vocês com o prefeito regional.
70) Sr. Leonildo da Silva (Patinho) – Pede ao Celso que se estabeleça uma linha direta. As pautas se estendem, as decisões ficam para as próximas reuniões. Gostaria de ver um estreitamento com os conselheiros que foram eleitos. Um agendamento prévio semanal ou quinzenal com dois ou três conselheiros para poder ajustar a pauta daquele mês. Acha importante o Celso conversar com a comunidade para termos uma eleição mais participativa. Acha que um ponto só de votação não é suficiente. Pede 3 pontos. Os próximos conselheiros eleitos devem ter um relacionamento mais próximo com a prefeita regional. Que não fiquemos se estendendo para a próxima reunião ou para quinze dias depois. Que haja um canal direto. Por exemplo: 10 minutos com a prefeita toda segunda-feira, para as prioridades.
71) Sr. Celso Henriques – se você está falando da prefeitura regional com a minha secretaria, temos o melhor relacionamento. Com as outras secretarias não posso responder. Cada conselho é independente e autônomo. Vocês é que definem a regularidade de reuniões a partir do regimento interno.
72) Conselheira Joana – Pergunta se o modelo de regimento interno vai ser modificado;
73) Sr. Celso Henriques – O modelo utilizado foi o regimento interno de Pinheiros. A prefeitura mandou o modelo para que vocês se baseassem nele. Mas cada conselho pode modificar o seu regimento interno.
74) Sra. Janaína – Não sou conselheira. Sou moradora do bairro do Jabaquara. Vim ver como é a dinâmica e como funciona. Ficou indignada por que o governo e parte dos participantes olham os munícipes deste bairro como fraudulentos, pessoas desonestas. Não posso aceitar que olhem para nós como transgressores. Como contribuição, sugere o uso do título eleitoral, pois é um documento oficial.
75) Sr. Celso Henriques – parabeniza a Sra. Janaína e sugere que ela se candidata ao Conselho, pois o seu conhecimento pode contribuir para o conselho. Ninguém aqui acusou os eleitores de fraudes. E todo os documentos são oficiais. Estamos preocupados com o voto distrital. Estamos aqui discutindo o melhor modelo para todos nós. Não existe pessoa mais participativa do que o conselheiros. Vocês poderiam estar assistindo filmes ou novelas, mas vocês estão aqui discutindo politicas públicas para o seu bairro. Todo cidadão deveria fazer isso: discutir politicas pública, não partidárias. Todos nós estamos de parabéns. Para o Poder Público, somos todos cidadãos.
76) Conselheiro André Bernardino da Conceição – participa de conselho desde o Conselho do Orçamento Participativo. O documento oficial é o Título de Eleitor e o RG. Para que lançar outro tio de documento? Defende o voto na região da prefeitura regional, independente do distrito. Pede 2 ou 3 pontos de votação no Jabaquara. O transporte é reduzido nos finais de semana.
77) Sr. Celso Henriques – Posso garantir a você que no dia da eleição transporte não será reduzido. Nós não estamos modificando documentação. Fala que haverá possibilidade de se votar em qualquer posto de votação (voto em trânsito), mas sempre em função da moradia e do candidato local. Dá exemplo de um morador do Jabaquara que esteja no Ibirapuera no dia da votação. Ele poderá votar no posto do Ibirapuera, mas votará como eleitor do Jabaquara, em um candidato do Jabaquara. Esse é o sistema que a Prodam está montando.
78) Conselheiro José Luiz Nodar Ribeiro – Fala que o CPM não é fórum local
79) Guarda civil – está saindo da região. Deixa folheto.
80) Sra. Rosana – pergunta (?)
85) Sr. Mauro Alves da Silva – fala sobre a agenda do Consabeja Jabaquara e sobre os abaixo-assinados para finalização das obras da Operação Urbana Água Espraiada, com a garantia de morada para todos os afetados pelas obras; e sobre a continuidade das obras do Monotrilho Jabaquara -Morumbi. Entrega documentos.
86) reunião encerrada.

As fotos e os vídeos gravados da reunião podem ser acessados no site: http://www.consabeja.org ou http://www.youtube.com/consabeja

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s