Diálogo Aberto na Sé em 27-07-2017.

Mais uma vez identificamos problemas na organização do Diálogo Aberto:
1 – reunião começando com 30 minutos de atraso;
2 – fala do prefeito extrapolando o tempo de 10 minutos;
3 – ao invés de prestar contas das demandas do Conselho Participativo, o prefeito fez uma apresentação da gestão nos últimos 6 meses;
4 – o representante do Conselho Participativo falou das próxiams reuniões, e não sobre as suas atividades nos últimos 6 meses;
5 – instruções confusas dos organizadores, pois grande parte do público não sabia que a reunião era para falar de “informação, comunicação e mobilização” dos conselhos e da participação social.
6 – a coordenação reduziu o tempo de apresentação dos grupos de debates: de 10 minutos para 5 minutos;
7 – não permitiram a livre manifestação de populares para complementar as propostas apresentadas.

Além disso, identificamos graves falhas na comunicação:
8. Nem mesmo os conselheiros do Conselho Municipal Participativo tinham ideia sobre a pauta da reunião;
9. A Prefeitura Regional da Sé disse que houve confusão na questão do horário de início: era 18:30, mas algumas informações diziam 19 horas;
10. Foi reservado um auditório pequeno e inapropriado;
11. Não houve divulgação do evento na página oficial da Prefeitura Regional da Sé;
12. A página da “Participação Social” só lista o CMP (Conselho Municipal Participativo), ignorando os conselhos do Meio Ambiente (CADES), do Idoso, da Saúde, da Habitação, do Transporte etc.
13. No site do CMP, a última ata publicada é de janeiro de 2016;
14. A relação dos conselheiros do CMP está desatualizada;
15. Não existe calendário de reuniões, nem pauta publicada, nem deliberações tomadas.

Nas falas apresentadas pelos grupos, foram feitas as seguintes reivindicações:
16. Posse dos conselheiros suplentes junto com os titulares, permitindo que o suplente assuma nas ausências dos titulares;
17. Dar ampla visibilidade ao Conselho Participativo e as suas atividades;
18. Que os Conselhos realizem reuniões temáticas. Por exemplo: Falar sobre a Dívida Paulistana e o pagamento de juros dessa dívida, o que compromete grande parte do orçamento anual;
19. Que os profissionais da prefeitura prestem assessoria ao Conselho, especialmente o responsável pelo elo de ligação com o Prefeito Regional e a assessoria de comunicação;
20. Que as Prefeituras Regionais e os demais órgãos públicos respondam às demandas encaminhadas pelos Conselhos;
21. Fazer reuniões descentralizadas;
22. Garantia de transporte para os Conselheiros exercerem suas atividades: participação de reuniões e diligências.

O representante do CONSABESP (Conselho Coordenador das Sociedades Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP), com sede na Bela Vista, Rua Japurá 190, falou da importância do reconhecimento e fortalecimento das associações de moradores. São estas associações que vão dar suporte para a atuação dos conselheiros. Como exemplo de reivindicações e proposta de atuação dos Conselhos, o representante do CONSABESP distribuiu uma lista de 10 itens propostos pelo CONSABEJA Jabaquara, na qual tem especial destaque as questões de Informação, Comunicação e Mobilização. Veja o documento aqui.

São Paulo, 27-07-2017.
Mauro Alves da Silva
Direitor de Comunicação do Consabeja Jabaquara.
Secretário Geral do CONSABESP

Divulgação:
http://www.consabeja.org

Anúncios
Esse post foi publicado em Comunicação, Conselho Municipal Participativo, Moradia, Participação Popular, são paulo, Transporte. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s